Comunicação B2B que não funciona? Conheça a razão nº 1.

Comunicação B2B que não funciona

Facto: a maior parte da comunicação das empresas que vendem a outras empresas não funciona. (Aqui entre nós, a maior parte da comunicação dirigida ao consumidor também não. Mas, com os males dos outros…) Há muitas razões para isso, mas há um pequeno descuido dos responsáveis de marketing que passa à frente de todas. Será que também está a cometê-lo?

A sua comunicação digital é eficaz?Se boa parte da comunicação de marketing dirigida a clientes empresariais não funciona, a razão nº 1 é  simples.

Quem comunica não definiu o que significa “funcionar”.

Noutras palavras, o site, o anúncio, o banner foi feito sem se saber exatamente para quê.

Era para aumentar a notoriedade? Para gerar leads? Para produzir vendas?

A consequência é que a ação até pode produzir algum efeito. Por exemplo, um cartaz na rua pode tornar a minha empresa mais conhecida entre os transeuntes. Será isso funcionar?

Só se o objetivo, definido à partida, era mesmo ser mais conhecido na vizinhança. Se era conseguir vendas, e se os meus clientes não passam por ali, então a notoriedade local não serve para nada. Não funcionou.

E, obviamente, se defini objetivo nenhum, como vou saber se o resultado é ou não para comemorar?

Parece evidente, não é? No entanto, é espantoso ver quantas empresas comunicam sem esse pequeno cuidado: definir objetivos claros antes de pôr a cara na rua. Será o caso da sua?

Ok, percebi. Mas o objetivo não é sempre o mesmo?

Universidade B2B

A sua empresa vende a outras empresas ou a profissionais? Então subscreva a newsletter da Universidade B2B, a sua fonte de conhecimento e atualização contínua sobre marketing e comunicação business-to-business.

O sentido da palavra “funcionar” não põe muitas dúvidas no caso de um carro (anda ou não anda), de um tratamento médico (os sintomas desaparecem ou não) ou mesmo de uma superprodução de Hollywood (as salas enchem ou não enchem).

Na comunicação de marketing o senso comum diria que é igualmente simples. Ou vende… ou não vende. Comunicação comercial, afinal, serve para vender. Certo?

Bem…  Nem sempre. A verdade é que quase nunca é assim tão simples.

Abra uma revista de negócios e passe os olhos pelos anúncios: vai ver que muito nem sequer têm algo claro a vender. Têm uma afirmação sobre uma empresa, por exemplo. Algo como “Levamos mais longe a agricultura nacional”, com a foto de um navio cheio de contentores. Está a ver o género?

Não havendo propriamente venda, o anúncio até pode ter uma função – mas será que quem o publicou sabe qual é? Em boa parte dos casos, posso afirmar que não sabe.

Seja B2B ou B2C, o facto é que em muita da comunicação de marketing não há nada que leve diretamente à venda. E não há nada de errado com isso – desde que, para quem aprova a comunicação, o papel deste tipo de peça no percurso do cliente até à compra esteja claramente definido. Mas será que está?

Noutros exemplos há um produto na montra. Um comercial ligeiro, no caso da revista que estou neste preciso momento a folhear. Vê-se o veículo, uma frase, um pequeno texto. Mas será que quem fez o anúncio espera que eu me levante da cadeira e vá lá agora mesmo comprar? Claro que não: o processo de decisão não funciona assim,

Em cada um destes exemplos a função da comunicação parece ser diferente, mas o que têm em comum é que a “venda”, se é que há alguma, fica para mais tarde. A comunicação é só uma pecinha num processo complexo que talvez, quem sabe, leve lá à frente a comprar o produto ou trabalhar com a empresa.

E não há nada de errado com isso – desde que você saiba descrever esse processo e como, exatamente, cada peça da sua comunicação encaixa nele. Noutras palavras: para cada página online, cada anúncio, cada email, tem de definir concretamente o resultado que pretende.

Só assim vai poder saber se alcançou ou não esse resultado. O que é o primeiro passo para a sua comunicação de marketing, finalmente, começar a funcionar.

E a sua comunicação digital, funciona? Pode sabê-lo em 2 minutos, e ainda ter pistas sobre o que deve corrigir para ter os resultados que pretende. Faça o autodiagnóstico e peça o seu relatório aqui.

Jayme Kopke