Como conquistar mercados lá fora

No meio de tantos impactos negativos da crise, um efeito que acaba por não ser mau é que as empresas mais dinâmicas têm um empurrãozinho extra para acelerar a sua internacionalização.

É o caso da Novabase, cujas vendas para fora de Portugal já representam 20% do seu volume de negócios, e também da sua participada Celfocus, orientada para o mercado das telecomunicações.

Conquistar mercados lá fora obriga a uma comunicação de marketing com cuidados especiais. A imagem de uma marca como a Novabase, que dispensa apresentações em Portugal, não diz nada, à partida, a muitos dos seus interlocutores internacionais: é um entre muitos outros players, alguns com uma dimensão e uma notoriedade incomparavelmente maiores.

Por isso, uma primeira boa impressão é decisiva – e não muito fácil de criar. É preciso demonstrar a relevância da oferta para mercados muito diferentes, em distintos estágios de amadurecimento e desenvolvimento tecnológico.

Foi isto que a Hamlet ajudou a Novabase e a Celfocus a fazer. Para esta última criou os conteúdos do site www.celfocus.com

Para a Novabase, em parceria com a designer Patrícia Freitas e a partir de uma ideia criativa do próprio cliente, desenvolveu a brochura de apresentação dos serviços da empresa nos sectores aeroespacial e dos transportes.

Nos dois casos, o desafio foi traduzir uma oferta tecnológica sofisticada em argumentos persuasivos para o leitor dos quatro cantos do mundo. O resultado é uma abordagem user-friendly, focada em benefícios finais carregados de empatia e emoção.

A propósito, sabe o que a Novabase tem a dizer sobre o trabalho da Hamlet?

Jayme Kopke
da Hamlet